sexta-feira, 14 de maio de 2010

Não se esqueça nunca mais que eu te amo.

Oi, amiga! Quem diria, depois de tanto tempo nós nos encontrarmos aqui! Não se lembra de mim? Não se recorda do tempo em que brincávamos juntas? Como não? Nós rimos juntas tantas vezes sentadas ali! E como ríamos! Era aquele riso sem preocupação, sincero, infantil e ingênuo que tantas vezes esteve presente em nossos lábios. Riso tão alto que lá de dentro sua avó escutava! Lembra-se das outras meninas? Lembra-se de quando nos juntávamos? Era felicidade garantida por toda tarde. Ríamos, ríamos, ríamos, nem sabíamos porque. Qualquer motivo bobo nos fazia chorar de tanto rir. E depois que começávamos a rir, ríamos da risada da outra, do tropeço da outra, de uma gafe qualquer que hoje não teria mais graça. Lembro-me de quando chegava à noite, minhas bochechas doíam e meu abdômen também.
Lembra-se de quando almoçávamos juntas, seu prato cheio de massas e carnes e o meu, cheio de verduras e arroz colorido e eu quase a fiz comer um pedaço de cenoura, mas você foi tão resistente! rsrs...
E as festas? Foram tantas! Nós dançávamos juntas e tínhamos passinhos ensaiados, fazíamos aquela rodinha de dança com a galera, não tinha pra ninguém!! rsrs, Não sei escolher qual a melhor parte, se era antes da festa, durante ou depois! Lembro que uma vez você veio aqui para que pudéssemos nos arrumar juntas. Ficamos fuçando a internet atrás de umas maquiagens legais, depois ficamos olhando umas revistas... eu te ajudei a arrumar seus cabelos lisos em cachinhos que acabaram por se desmanchar na festa. No dia seguinte o disse - me - disse de quem - beijou - quem! Que saudade!
Tantos papos cabeças que tivemos! Falávamos sobre as doenças do mundo, sobre ONG, sobre política, sobre musica, sobre cantores, sobre celebridades, sobre decisões, sobre futuro, sobre frustrações, sobre família, sobre se casar, sobre envelhecer, sobre ser criança, sobre ser amigo, sobre os preços altos da cantina.
Quando chegamos ao ensino médio, todo mundo ficou mais sério e, ao mesmo tempo, não! rsrs, lembra-se daquela brincadeira de atirar bolinhas de papel que virou uma guerra na hora do intervalo das provas, que ganhou proporção tamanha, com direito a campo inimigo e boas estratégias!? Lembro que me diverti bastante, quebrou aquele gelo de semana de prova, aquela pressão que sofríamos do estudo.
Por falar em estudo, era tão bom estudar com você! Quando você explicava a matéria, parecia ficar mais fácil!
Você era tão presente. Foram tantas saídas, tantas lanchonetes, conversas, festas, lojas, passeios, museus, shoppings, eventos, cinema, parques, clubes e fins de semanas juntas. Mas um dia eu olhei ao meu redor e você não estava lá. Para aonde tinha ido, eu não sabia, tínhamos perdido o contato. E se instaurava uma nova fase em minha vida e você não estava lá para que eu pudesse compartilhar minhas novas aventuras. Perdão, mas o esquecimento foi inevitável durante muito tempo. Esses dias mesmo, pensei em você. Pensei em tudo, pensei em te agradecer. Agradecer você por ter estado comigo durante minha adolescência, por ter feito parte daquele sonho, por ter me ajudado tanto. Quero que saiba que tudo isso só foi realmente bom, porque você estava lá ao meu lado, compartilhando comigo todos esses momentos lindos, contribuindo de forma tão positiva na formação de quem sou hoje.
Que bom que nos reencontramos! Dessa vez vamos fazer diferente, não vamos perder mais o contanto, certo? Não se esqueça nunca mais que eu te amo.