domingo, 29 de março de 2009

Postagem Grande õ/

Estou fazendo agora um trabalho de religião sobre violência familiar contra os jovens e resolvi falar aqui um pouquinho sobre o que penso e o que eu encontrei pesquisando.
O Brasil tá sempre falando que é culpa dos jovens, mesmo que falem indiretamente. Ele é quem causa a desordem na sociedade, se droga, rouba, quebra, é o jovem que é traficante. É ele quem tá lá no sinal vendendo chiclete ou pedindo esmola. É aquele pivete que rouba carteira de gringo na praia. Ele que é o imoral, o vândalo. Pois eu lhes digo, meus caros amigos, nós só podemos dar o que recebemos.

"AÇÃO E REAÇÃO - Nos últimos anos, a sociedade brasileira entrou no grupo das sociedades mais violentas do mundo. A questão que precisamos descobrir é porque esses índices aumentaram tanto nos últimos anos. Já é tempo da sociedade brasileira se conscientizar de que, violência não é ação. Violência é, na verdade, reação. O ser humano não comete violência sem motivo. É verdade que algumas vezes as violências recaem sob pessoas erradas, (pessoas inocentes que não cometeram as ações que estimularam a violência)."

Pra mim, o mais alarmante de tudo, é que a violência começa em casa.
"Lamentavelmente, o que se ouve com grande freqüência é: ‘um tapinha não faz mal a ninguém’. Tal expressão não se justifica, já que toda ação que causa dor física numa criança, varia desde um simples tapa, um beliscão até o espancamento fatal. Embora um beliscão, um tapa e um espancamento sejam diferentes, o princípio que rege os três tipos de atitude é exatamente o mesmo: Utilizar a força e o poder. Muitos pais dizem crer que uma ‘simples palmadinha’ não é violência e que pode ser um recurso eficiente. No entanto, bater não passa de uma atitude equivocada de descarregar a tensão e a raiva em alguém próximo e que não pode se defender."
Imagina como não fica a cabeça de uma criança que sofre violências em casa. O papel de pai e mãe é todo distorcido pela criança. E pior que as marcas físicas, são as marcas psicológicas que ficam pra sempre com ela.

E por ultimo um trecho que eu achei super legal:
"AMAR O PRÓXIMO - O mau uso da palavra, amar, pela nossa Sociedade e pela nossa Mídia, que insiste em relacioná-la tão freqüentemente ao namoro e ao sexo, acaba nos confundindo. No entanto, mesmo antes da era cristã, amar era se relacionar com total igualdade de consideração, sem superioridade ou inferioridade e com tolerância às normais falhas e diferenças dos seres humanos. Amar o próximo (na sua definição mais simples) é não lhe fazer coisas que nós não gostamos que sejam feitas conosco. O que nós não gostamos de receber, o nosso semelhante também não deve gostar. Se respeitarmos essa regra, nos tornaremos cooperadores um do outro ao invés de destruidores, um do outro, como tem acontecido tão freqüentemente na nossa sociedade."

Pra quem é curioso: http://www.overmundo.com.br/banco/violencia-familiar-e-domestica

Beeeijos meu povo :*

Um comentário:

  1. aah esse tema é legal, mas chatinho ao mesmo tempo!
    viiu, eu falei qe ia comentar!!!!
    uihsduhsdahuidsasad
    mas eu gostei do trab. :*
    (L

    ResponderExcluir

Já estou ansiosa para ler seu comentário, mesmo antes de você ter terminado! :D